No final da semana passada, a internet brasileira foi sacudida pelo lançamento de um aplicativo que dividiu opiniões, acabou com amizades e fez bolsas de valores caírem em todo o mundo: o Lulu, criado pela jamaicana Alexandra Chong para avaliar homens e seu desempenho em todas as instâncias da área amorosa. Em menos de uma semana no Brasil, mais de um milhão de reviews já foram postados por lá.

Em entrevista para a Veja, a criadora do aplicativo disse que o aplicativo foi inspirado em conversas do mundo real entre mulheres e a recepção pelos homens tem sido dividida entre os que ficam curiosos com as avaliações e os que preferem ficar bem longe dele, inclusive pedindo para serem removidos – o que é feito sem nenhum problema.

Como esperado, o sucesso do Lulu já está rendendo seus spin offs. Um trio de brasileiros começou a divulgar o Tubby, app semelhante ao Lulu, mas no qual os homens podem avaliar as mulheres. “Tubby” é o nome original do personagem Bolinha, uma alusão ao Clube do Bolinha e referência clara ao nome “Lulu” – que, segundo a criadora, não tem nada a ver com Clube da Luluzinha; Lulu era seu apelido de infância.

tubby-app-600x336

Com o slogan “sua vez de descobrir se ela é boa de cama ou não”, o Tubby aparentemente terá o método de avaliação bem semelhante ao Lulu: além da nota final, é possível dar mais detalhes sobre defeitos e qualidades da garota utilizando algumas hashtags. Mas, enquanto no Lulu elas são fixas, no Tubby aparentemente será possível criar novas – tanto que, em entrevista para oOlhar Digital, os criadores afirmam que estão desenvolvendo um algoritmo que detectará as que forem ofensivas. Também será possível deletar seu perfil, caso você não queira ser avaliada.

É machismo? Os criadores não vêem dessa forma e garantem que a intenção não é passar essa mensagem, mas entendem que ele será, sim, considerado machista por algumas pessoas, enquanto será apenas uma diversão para outras – assim como aconteceu com o Lulu.

O Tubby deve ser lançado na semana que vem para Android e iOS. Como será que vai repercutir?

matéria do TecnoBlog

Deixe uma resposta